Maio/17

música e silêncio

música e silêncio

Hoje, 7 de maio, é o Dia do Silêncio. O silêncio e a música, por mais antagônicos que pareçam, estão lado a lado. Por isso, decidimos aproveitar a data e convidar o règisseur e fundador da Cordas & Cordas, Ernani Poeta, para falar sobre a relação entre esses dois mundos, tão próximos e, ao mesmo tempo, tão distantes:

"Esta semana, fui apresentado ao poder do silêncio. Tudo começou quando recebi uma mensagem de certa pessoa, pedindo que escrevesse um texto sobre a importância dos silêncios na música. Decidi encarar o desafio. A partir daí, o silêncio não me saiu mais da cabeça. Entre uma aula e outra, o pensamento deu asas à imaginação, e veio a inspiração. Pois bem...

'Não há arauto mais perfeito da alegria que o silêncio.' - William Shakespeare.

O silêncio não é apenas a tela sobre a qual a música é pintada. É uma das cores na paleta do compositor. Saber quando tocar as notas e preencher um vazio, ou quando silenciar-se, é tão importante quanto tocar as notas certas. Alguns pulsos - medidas do tempo na música - de silêncio podem levantar a expectativa de um ouvinte sobre o que está por vir. Usado dessa maneira, o silêncio cria antecipação. Se você pensar nisso em termos de tensão e liberação, o silêncio pode liberar a tensão quando segue uma frase, e também construí-la enquanto o ouvinte aguarda a próxima frase. O silêncio também adiciona cor às frases, removendo a desordem. A música, como a linguagem falada, pode tornar-se 'enlameada'. Quando muitas pessoas expõem suas idéias ao mesmo tempo, fica confuso para o ouvinte.

Saber quando - e quanto - utilizar o silêncio faz parte da escuta, e é uma das habilidades de qualquer músico.
Ouça o espaço entre as frases. Ouça como um instrumento avança quando os outros se movem para o fundo. Ouça como o silêncio é usado como uma cor, e não simplesmente como plano de fundo, sem vida, de algumas composições.

O silêncio, na música, também é identificado como ausência de som. É a exceção à regra, que tem o som como o centro da composição musical. Parece impossível imaginar a música presente na sua ausência, no não-som. O silêncio é o ponto onde os sons musicais realmente deixam de existir. O ouvinte não percebe, mas é nesse instante que ele fica aprisionado no tempo da música. Me parece que não o trítono, a quarta aumentada, mas sim o silêncio é o verdadeiro 'diabolus in musica'. Mesmo quando não ouvimos mais sons, a música ainda está presente. E isso é assustador...

Pensar sobre isso, durante esses dias, me levou a concluir que um NADA pode ser tão expressivo quanto ALGO. Por isso, neste Dia do Silêncio, vamos reverenciá-lo. Vamos dar a ele a devida importância, e faço questão de encerrar esse texto com uma frase traduzida livremente por mim, de Artur Schmabel:

'As notas que eu toco, não melhor do que muitos pianistas, podem ser reproduzidas. Mas as pausas entre as notas - Ah! É onde a arte reside.'

Feliz Dia do Silêncio.

Por Ernani Poeta."